Uma delícia de cãozinho recolhido na rua, maltratado e esfomeado = Viveu connosco entre 3/2002 e 09/2010 ===================== Este blog vai continuar, em homenagem ao Monty (agora c/muita saudade) e aos abençoados vindouros.

10
Jan 14

publicado por LauraBM às 23:31

10
Fev 11

Se eu falasse, diria:

Ai, com o é bom dormir no colo das donas!

publicado por LauraBM às 21:35

10
Fev 10

Adotebichos_naocompre.gif

Quanto mais comprarem, mais há para vender e menos abandonados obtêm donos.

Por favor, não ajude o comércio de animais!

Ajude, sim, as Associações de animais abandonados!

publicado por LauraBM às 00:11

15
Fev 08

cao_cavar.gifO palco desta história é varrido ferozmente pelos carros citadinos frenéticos que correm do sinal verde para abraçar o vermelho.
Era meio dia, precisamente e lá estava incansavelmente um cão também ele de meia idade, na Avenida Duque de Loulé em pleno alcatrão, esgravatava penosamente com um osso entre mãos, perdão entre dentes, na nobre tarefa canina de armazenar comida, para dias mais famintos.
Em frente dum talho, uma fila de cidadãos perfilava a espera do laranja.
A comicidade da cena foi observar a indiferença e languidez do cão, escavando ora com a pata ora com o focinho um buraquinho em plena avenida, os automóveis esses, que remédio abrandavam a marcha desviando caminho, permitindo ao cão continuar a sua árdua tarefa.
Na fila dos humanos, estávamos estupefactos, e com uma lágrima ao canto do olho; o quadro que víamos fazia nos pensar que o cão não abdicava dos seus instintos naturais independentemente do meio de betão armado envolvente, e das máquinas devoradoras, para ele era indiferente, o que interessava, era esconder o seu precioso tesouro.

Passaram dez anos, muitas vezes me questiono lembrando este cão, se não importa os meios para atingir os nossos fins....
--------------
2003/20/04
Leonor Vieira

publicado por LauraBM às 22:58

15
Fev 07

Poesia criada em homenagem a estes cães,

sem raça, sem dono, sem casta.
Lyra_viralata.jpg
Eu não tenho nenhuma raça Chamam-me de vira-lata
Eu não sirvo nem pra caça Durmo na rua ou na praça

Com frio ou chuva perambulo pelas ruas
Sou chutado pelos bêbados e outros cidadãos
Muitos vezes saio correndo com medo da perua
Posso ser sacrificado ou talvez virar sabão

O que muitos não sabem é de onde eu provim
Meus ancestrais originaram do primeiro lobo na terra
Muitos me acham feio outros bonitinho
Quando uma casa me adopta pode crer que nunca erra

Durante a noite pela cidade contemplo a hipocrisia
Se deito para dormir me chutam e me xingam
Nas minhas andanças constantes vejo festas de alegria
Lá comendo e bebendo eu aqui morrendo a mingua

Muitos dizem que coisa triste é vida de cão
Esta é uma verdade que não pode contestar
Só que tem cão que viaja até de avião
Mas com o pobre vira lata a coisa é outra questão

Excepto alguns vira lixos
Que por alguém é adoptado
São tão respeitados que não tratam como bicho
E até por nome de gente o danado é chamado

O que vocês não sabem posso ser de estimação
Quero estar sempre ao seu lado sua casa vigiar
Não peço muita coisa a não ser arroz e feijão
E uns parcos ossos pra minha fome matarem

Se adoptares um tomba-lixo como também sou conhecido
Você vai ter muito carinho e também distracção
Pois um cão quando é amado fica enlouquecido
Com a presença do cachorro criança teve recuperação

Um vira lata é inteligente amoroso e leal
Nunca deixa de ser amigo mesmo com depressão
Os cães deveriam ser tratados de maneira igual
Sejam de raças ou vira-latas o que querem é atenção

Dizem que somos mais agressivos do que os de pura raça
Isto não é verdade os que outros têm é instrução
Uns vão puxar trenó outros destros na caça
Alguns para o pastoreio outros perseguem o ladrão

O homem é culpado das nossas poucas agressões
Que na fase de formação nos negaram pão
No desenvolvimento da personalidade não nos deram atenção
Carregamos em nosso corpo a sequela da humilhação

Encerrando este lamento quero fazer uma apelação
Quando vir um vira lata sem lar sem comida e desprezado
Deixem nos perambular sem nos fazer mal criação
Mas se tiveres bom coração faça de nós seu adoptado

Ainda em tempo quero te lembrar
Quando quiser nos encontrar
Estaremos em toda parte até no cemitério nos verá
Onde estiver um vira lata qualquer um te informará
------------------------
03/30/06
Valeriano Luiz da Silva
Anápolis-Go

publicado por LauraBM às 01:16

05
Fev 06

Esta advertência da amiga Selma, repassada pela Ana Suzuki, é real e acontece inúmeras vezes.
Conforte o seu animal de estimação, especialmente o cão, também quando há trovoadas porque, geralmente, têm pavor de trovões.
Eu tive um Labrador enorme que tremia e me saltava em cima assim que ouvia um trovão.
É preciso falar-lhes docemente, em voz baixa, enquanto os acariciamos e os encostamos a nós. Eles acalmam-se com o n/amor e carinho.

A passagem do ano costuma ser bem traumática para os animais se estiverem em zonas de fogos de artifício, foguetes e muitas buzinadelas. São seres vulneráveis e não coisas, como muita gente julga.
------------------------------------------------------------------
Laura B. Martins

Se «eles» falassem pediriam o mesmo:
cao_florboca2.jpgO alerta abaixo é muito importante.
O assunto é BASTANTE SÉRIO. Sei de alguns casos horríveis envolvendo cães que tinham pavor ao barulho dos fogos de artifício. Alguns morreram, provavelmente de enfarte.
A audição deles é muito aguçada e, por isso, percebem o som com uma intensidade muito superior àquela percebida por nós. Eles sofrem fisicamente com o som. Além do problema físico existe susto, medo, pânico...
Nenhum deles fica tranquilo diante de tanto barulho; alguns sofrem demais e as consequências podem ser as que estão abaixo: fugas, mortes, etc.
Procure deixar o seu cão tranquilo, anime-o, conforte-o, PROTEJA-O.
NÃO O DEIXE SOZINHO, pois o pânico é muito grande e suas consequências realmente podem ser fatais.

IDENTIFIQUE O SEU ANIMAL - ESSE TAMBÉM É UM ACTO DE AMOR!
------------
15/12/2005
Selma

publicado por LauraBM às 13:06

05
Fev 05

caofalar_jornal.gifSe Um Cachorro Fosse o Seu Professor

Você aprenderia coisas assim:
Quando alguém que você ama chega em casa, corra ao seu encontro.
Nunca perca uma oportunidade de ir passear de carro.
Permita experimentar o ar fresco do vento no seu rosto.
Quando está a seu favor, pratique a obediência.
Mostre aos outros quando estão invadindo o seu território.
Tire uma sonequinha no meio do dia e espreguice antes de levantar.
Corra, pule e brinque todos os dias.
Tente se dar bem com o próximo e deixe as pessoas te tocarem.
Não morda quando um simples rosnado resolve a situação.
Em dias quentes, pare e role na grama, beba bastante líquidos e deite debaixo da sombra de uma árvore.
Quando você está feliz, dance e balance todo o seu corpo.
Não importa quantas vezes o outro te magoa, não se sinta culpado... volte e faça as pazes novamente.
Aproveite o prazer de uma longa caminhada.
Se alimente com gosto e entusiasmo.
Coma só o suficiente.
Seja leal.
Nunca pretenda ser o que você não é.
Se você quer se deitar debaixo da terra, cave fundo até conseguir.
E o MAIS importante de tudo...
Quando alguém estiver nervoso ou triste, fique em silencio, fique por perto e mostre que você está ali para confortar.

publicado por LauraBM às 00:10

10
Set 04

Olá! Eu sou o Monty!
(dantes chamavam-me outro nome, mas eu não digo qual era)
Montypeludo-comerdeitado.JPG
Desculpem nem olhar mas a comidinha é mais importante!

Enquanto lêem eu termino com estes biscoitos saborosos, sim?

Em 22/03/2002, a minha dona viu-me, muito encolhido, com frio e fome, ao fundo da rua onde ela mora.
Era aí por altura das festas de Cabanas, na Igreja de S. Gonçalo.
A  Primavera ainda não tinha chegado e estava frio.

Eu já andava perdido por ali há umas duas semanas, e o meu dono mais novo já me tinha visto algumas vezes.
Eu dormia debaixo da camioneta do sr. Raposo, da loja de materiais de construção e, naquela noite, quando a dona subia a rua, estava uma vizinha a tentar afastar-me com uma mangueira de água.
Dizia que eu ia roubar a comida do cão dela. Mas eu tinha fome e sede!...

A dona pegou-me com carinho, fez-me umas festas, derramou umas lágrimas e levou-me ao colo para casa dela.
Quando lá chegámos, ela deu-me comida, água,  limpou o meu pelo molhado e viu que eu estava cheio de carraças e feridas infectadas.
Tratou-me o melhor que poude e deu-me uma caminha quente, com um bom cobertor e almofada, dentro duma cesta de espuma forrada a tecido e deixou-me na garagem.
Disse que eu não estava capaz de ir para dentro de casa.

No dia seguinte, tratou de me tirar as carraças e levou-me ao veterinário.
Fui tratado, vacinado, e acarinhado.
Ela ainda deixou diversos anúncios nos multibancos e lojas distantes alguns quilómetros, com a minha fotografia, mas ninguém apareceu para me levar.
Se eu soubesse falar diria se tinha donos e onde morava antigamente, mas assim ninguém fica a saber se eu quero voltar ou não.
Ela disse à veterinária que não sabe se eu me perdi ou se me abandonaram e eu, como não falo, jamais lhe direi.

Sei que dei muito trabalho e despesa, mas tento pagar isso tudo com  muito carinho e ando sempre atrás dela (não vá ela desaparecer-me da vista…).
Na casa da dona, que agora também é minha, já estava o gato Floco de Neve, que não é para brincadeiras quando passo dos limites; e tem as unhas afiadas, mas dá umas marradinhas gostosas.
Também cá encontrei a mansarrona da cadela Daisy, uma gorda tamanhona, muito gentil e simpática com um grande defeito: não me deixa montar nela. Ouvi uma conversa sobre qualquer coisa dela ter sido operada para não ter mais ninhadas.
Que chatice! Agora a bicha não quer nada comigo. Também, sou menos de metade dela!...
Contou-me que também estava na rua e a dona trouxe-a cá para casa, há 4 meses.
Aqui vivemos nós, e os três donos. Eles fazem o possível por sermos felizes os 3 – refiro-me a nós, animais.

Temos um quintal bem grande e podemos correr em volta da casa. Tem alguns degraus mas até tem graça. E tem muitas flores e árvores, mas a dona ralha se lá faço chichi.

Sou um chato (mas têm muita paciência para me aturar):
1 - faço chichi em todo o lado – onde devo e não devo
2 - estrago as plantas e salto para todo o lado – a dona já teve que pôr mais 3 redes
3 -– saltei para o quintal dos vizinhos - lá puseram outra rede mais alta…
4 -– estraguei a almofada da dona – realmente… não se faz. Não sei o que me deu!
5 –- quando a dona sai,. faço-lhe chichi na cama – a dona pôs uma tábua na escada para eu não ir ao andar de baixo (mas porque carga d’água é que ela tem que sair e deixar-me…?
6 -– mordi o dono mais novo (quando estou ao colo da dona não gosto que me toquem – ela é toda minha!!!!!
7 -– já rosno menos e estou a habituar-me ao amor dos meus novos donos – eles imaginam que devo ter sofrido muito porque tenho atitudes estranhas. Dizem que os outros cães que eles têm criado de pequeninos nunca foram assim.
Ora! Não somos todos iguais!!!!!

Enfim! Tudo caminha bem.
No Verão mandam tosquiar-me a no Inverno já tenho meu casaco comprido, para me proteger.
A dona comprou uma máquina para me tosquiar porque diz que o meu pelo cresce tanto que ela prefere cortar-mo mais vezes, como ela quer.
Desta vez fiquei muito engraçado, ela cortou-me o pelo e deixou-me uns calções e umas mangas. Também me deixou o pelo das orelhas e rapou o resto da cabeça, menos as minhas ricas sobrancelhas, por causa do sol.

Acham que sou um bocado chato, mas engraçado. Além disso… EU SOU BONITO!
E a dona adora-me! Está sempre a escovar-me!  hihihihihihihi
Ah! se todos os meus amigos tivessem a minha sorte!!!!!!!  Au, au, au……..
--------------------------------
(assinado)
pegadacao_cast.gif
cão Monty

publicado por LauraBM às 02:02

«MONTY» O dono do blog

Seja feliz, meu amor, lá onde quer que você esteja!

Fique em paz com a minha saudade!

FRASES PARA PENSAR:

'Haverá sempre, em algum lugar, um cão abandonado, que me impedirá de ser feliz...'
Jean Anouilh

Lide com cada situação estressante como um cachorro:
Se não é para comer ou brincar…

faça um xixi nela e vá andando!

============

Janeiro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


*Antiguidades óptimas
*Algo mais sobre mim
*Meter o nariz no blog
 
blogs SAPO